Condenados do mensalão seguem para a prisão em regime semiaberto

Depois de um fim de semana em regime fechado, cinco condenados no julgamento do mensalão passaram para o sistema semiaberto, entre eles os políticos presos. Na noite de segunda-feira (18), Kátia Rabelo, ex-presidente do Banco Rural, condenada em regime fechado, e Simone Vasconcelos, ex-diretora da agência SMP&B, condenada em regime semiaberto, deixaram a Superintendência da Polícia Federal. Marcos Valério, operador do mensalão, os ex-sócios dele Cristiano Paz e Ramon Hollerbach e José Roberto Salgado, ex-diretor do Banco Rural, condenados em regime fechado foram para a penitenciária 1 do complexo, onde ocupam a mesma cela.

Mais cedo, o ex-ministro José Dirceu, o ex-tesoureiro do PT, Delúbio Soares, o deputado José Genoino, o ex-tesoureiro do PL, hoje PR, Jacinto Lamas, e o ex-deputado Romeu Queiroz foram transferidos para o Centro de Internamento e Reeducação, ala para condenados em regime semiaberto, também no Complexo da Papuda. Parentes de José Genoino conseguiram visitá-lo, acompanhados do senador Eduardo Suplicy. "Eles disseram, descreveram a solidariedade com que até os detentos tiveram para com eles. Foram bem tratados por todos, inclusive pelos que estavam também detidos, que chegaram a compartilhar lençóis e até alimentos com eles", conta Suplicy.

José Genoino, José Dirceu, Delúbio Soares, Jacinto Lamas e Romeu Queiroz estão juntos em uma cela com capacidade para oito pessoas. Eles vão poder ficar no pátio das 9h às 16h, podem tomar sol e praticar atividades esportivas e só poderão sair para estudar ou trabalhar quando comprovarem que têm emprego e mediante autorização da Justiça.

A transferência foi determinada na segunda-feira (18) pela Vara de Execução Penal do Distrito Federal depois que o juiz recebeu a documentação do Supremo Tribunal Federal. Com isso, todos os condenados presos na última sexta-feira (15) começaram a cumprir formalmente as penas. Daqui para frente, os pedidos feitos pelos advogados serão analisados pelo presidente do Supremo e relator do processo do mensalão, ministro Joaquim Barbosa.

Um dos pedidos é dos advogados de Genoino. Eles querem que ele cumpra a pena em casa, no regime domiciliar e alegam problemas de saúde. O ministro Joaquim Barbosa já solicitou o parecer da Procuradoria Geral da República. O ministro da Justiça, José Eduardo Cardoso, criticou o fato de os condenados em regime semiaberto ficarem em regime fechado da noite de sexta-feira (15) até segunda (18). “Acho incorreto que alguém que foi condenado ao regime semiaberto venha a ter um regime mais gravoso que esse. Isso não é um bom procedimento legal”, explica José Eduardo Cardozo, ministro da Justiça.

Joaquim Barbosa, que está em Belém do Pará, não comentou as declarações. Ele retorna amanhã à Brasília e pode expedir o mandado de prisão de outros sete condenados que já também podem cumprir a pena. O ex-diretor do Banco do Brasil, Henrique Pizzolato, que teve a prisão decretada e está foragido, é procurado pela Interpol. A fotografia dele foi incluída na página da polícia internacional, que divulgou um alerta sobre o mandato de prisão. Pizzolato foi condenado a 12 anos e sete meses em regime fechado no julgamento do mensalão e é procurado agora em 188 países.

Fonte: Jornal da Globo.

You may also like...

0 thoughts on “Condenados do mensalão seguem para a prisão em regime semiaberto”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *