Alfenas Agora estreia novo portal com entrevista com o escritor Eloésio Paulo

Em entrevista exclusiva para o Portal Alfenas Agora, o escritor, jornalista e professor Eloésio Paulo fala de seu novo livro, que discute o contraste entre loucura e ideologia. Polêmico e conhecido por fazer provocações, sempre com a intenção de buscar despertar uma consciência mais crítica em seus leitores e alunos, ele fala sem entraves sobre seu mais novo livro, abordando assuntos dos mais diversos ligados ao tema.

DA POESIA PARA A LOUCURA,
E VICE-VERSA

Eloésio Paulo fala de seu novo livro, que discute o contraste entre loucura e ideologia

Por Patricia de Oliveira

1“Nós estamos o tempo todo apontando o dedo para a normalidade dos outros e dizendo que ela não é assim tão normal, que toda normalidade é fabricada”, Eloésio Paulo

Nascido em Areado, o escritor Eloésio Paulo tem uma trajetória de 30 anos, nos quais, além de trabalhar como jornalista e professor, tendo passado pelas redações de grandes jornais, publicou as coletâneas de poemas Canguru (1990), Primeiras palavras do mamute degelado (2000), Cogumelos do mais ou menos (2005), Inferno de bolso etc. (2007), Jornal para eremitas (2012) e Homo hereticus (2013), além dos poemas para crianças reunidos em Parque de impressões (2010) e dos ensaios Teatro às escuras (1988) e Os 10 pecados de Paulo Coelho (2008), que agora sairá em edição eletrônica (e-book). Eloésio acaba de publicar Loucura e alegoria em dois romances dos anos 1970, em que analisa dois romances brasileiros cujos personagens principais são internados em hospícios. Na entrevista a seguir, o escritor nascido em Areado fala de seu trabalho e especialmente do novo livro, que será lançado em agosto na UNIFAL-MG, onde ele trabalha desde 2006.

Por que o assunto loucura o atrai tanto?

Até o ponto em que me lembro, meu primeiro contato com a loucura foi quando eu tinha uns 19, 20 anos e fui visitar um amigo que havia sido internado. Aquilo me impressionou muito e acabou resultando num de meus primeiros poemas, do qual gosto tanto que até virou título de um livro meu: “Primeiras palavras do mamute degelado”. Depois, à medida que fui estudando literatura e escrevendo, comecei a perceber que era muito comum os escritores não serem muito normais. Percebi também que a loucura era um tema muito importante na literatura, cada vez mais me parecia que existiam afinidades entre ser louco e escrever. Mas o mergulho no tema, mesmo, foi quando decidi que faria meu doutorado a respeito dele: totalmente por acaso, descobri que havia três romances brasileiros escritos na mesma época e cujos protagonistas passavam temporadas no hospício.

O escritor e jornalista Eloésio Paulo analisa dois romances brasileiros cujos personagens principais são internados em hospícios, em Loucura e alegoria em dois romances dos anos 1970

Que livros eram esses?

Confissões de Ralfo, do Sérgio Santanna, Quatro-Olhos, do Renato Pompeu, e Armadilha para Lamartine, do Carlos Sussekind. Li os três na mesma época, porque estava tentando conhecer melhor a ficção produzida durante o regime militar, e achei que não devia ser só uma coincidência. Então, para descobrir a explicação, comecei a ler tudo o que encontrava sobre o tema. O trabalho do meu doutorado acabou fazendo um panorama que vai da tragédia grega até a literatura contemporânea.

Por que ainda não publicou esse livro?

A tese? Ah, porque ainda não consegui reescrever de modo que ficasse bem acabado. Esse livro de agora, por sinal, é o começo de uma reescritura da tese. Só que comecei de trás para diante, porque aqueles três livros que mencionei são tratados no último capítulo da tese.

E por que o terceiro ficou de fora?

É que Armadilha para Lamartine, pra mim o melhor deles, não cabia no recorte. Eu pretendia discutir o contraponto entre loucura e ideologia, e na realidade o livro do Sussekind tem mais a ver com o mito, ou seja, com aquela primeira parte da tese, aquela que fala da tragédia grega. Só desconfio, por enquanto, como é que ele vai se encaixar nessa reescrita.

Você poderia resumir o livro?

Sim, claro. Ele começa com uma explicação sobre por que colocar a ideologia na conversa. Eu penso que muita gente usa essa palavra sem ter nenhuma ideia da história que existe por trás dela, e na minha opinião ideologia é um assunto que precisa ser urgentemente discutido, principalmente nas escolas. Então eu aproveito e faço uma revisão da história do conceito de ideologia, palavra que consta ter sido usada pela primeira vez por Napoleão Bonaparte. Eu acredito que essa revisão pode ser útil para muita gente, sobretudo as pessoas interessadas na relação entre política e cultura. O estudo também passa por um rápido panorama da ficção escrita durante o regime militar, porque é preciso ter uma ideia do contexto em que surgiram os romances cuja análise procuro fazer.

5“(…) Em minha opinião ideologia é um assunto que precisa ser urgentemente discutido, principalmente nas escolas”, Eloésio Paulo

E a relação entre loucura e ideologia?

Na minha pesquisa, constato que é uma relação de oposição. Mas é preciso fazer uma ressalva: estou falando da loucura de um ponto de vista simbólico, não de um ponto de vista clínico. Não sou nem quero ser psiquiatra ou psicólogo. Em resumo, a ideologia é uma ignorância a respeito dos próprios pressupostos: a pessoa pensa que acredita em determinadas ideias, principalmente aquelas que simplificam magicamente a complexidade do mundo e do homem. Só que essa visão de mundo é falha e incompleta, como aliás todas as visões são, porém se acredita exatamente o oposto: pensa ser portadora da verdade revelada. Ao contrário, a experiência da loucura, tal como representada pelos grandes escritores, permite entrever o que existe de precário na condição humana. A loucura é um excesso de humanidade, então as personagens loucas, como Hamlet ou o Quixote, muitas vezes permitem saber o que é o homem colocado no seu limite.

Isso significa que a loucura é boa?

Não, a loucura é uma experiência profundamente dolorosa. Mas não estamos falando de loucos de verdade, se bem que Renato Pompeu e Carlos Sussekind estiveram internados em hospícios. Eu não, antes que me pergunte (risos). Estamos falando de personagens loucas cuja posição existencial contesta e coloca em crise o consenso, aquelas ideias cuja aceitação é indispensável para a coesão social. O louco aponta a mentira que os outros aceitam como verdade. Mas isso não quer dizer que seja gostoso ser louco, ou que a loucura seja um tipo privilegiado de sabedoria. Ela apenas nos lembra que a razão pode ser útil, mas não é a verdade inteira: o homem também é seu lado escuro, mas admitir isso não é muito produtivo em termos sociais. As pessoas gostam de acreditar que são aquelas mesmas que diz sua carteira de identidade, embora há um século e meio Rimbaud tenha feito a incômoda revelação: eu sou um outro.

E por que a ideologia é ruim?

Ela pode ser até boa, dependendo do ponto de vista. Uma visão ideológica do mundo e do homem é bastante tranquilizadora. Só não é verdadeira. A verdade é uma conquista esquiva e infindável. O melhor conselho a qualquer ser humano já era dado pelo oráculo de Delfos: conhece-te a ti mesmo. Mas a maioria das pessoas não está disposta, porque o autoconhecimento muitas vezes é doloroso, não tem nada a ver com essas baboseiras de autoajuda, que vendem tanto justamente porque dão ao cidadão comum a impressão de que é possível ser sábio sem sofrer. Saber é sofrer, mas é necessário para não viver enganado. Agora, no século XX a ideologia passou a ser produzida industrialmente. Como escreveu Adorno já por volta de 1950, pouca gente merece ser chamado de indivíduo: a formatação de mentes do nazismo, especialmente, deu a dica para os criadores da indústria cultural: quanto mais imbecis forem as pessoas, mais fácil empurrar para elas música de péssima qualidade, filmes imbecis e, é claro, políticos mentirosos.

Que relação tudo isso tem com a sua poesia?

Ah, é uma relação profunda e indissolúvel. Trabalhando como jornalista, conheci por dentro o mecanismo da fabricação de mentiras. Não que tenha ajudado a fabricá-las, pelo menos nunca fiz isso intencionalmente. Mas a consciência de que existem sujeitos ganhando muito dinheiro com a burrice e a ignorância alheia, isso me deu, como pessoa e como profissional, a responsabilidade de jogar contra, de denunciar esse jogo sujo. É por isso que escrevo muitos poemas de conotação política. Não existe produção cultural neutra, o próprio fato de você dizer “sou poeta” já significa reivindicar uma posição social que tem significado político.

6“A experiência da loucura, tal como representada pelos grandes escritores, permite entrever o que existe de precário na condição humana. A loucura é um excesso de humanidade, então as personagens loucas, como Hamlet ou o Quixote, muitas vezes permitem saber o que é o homem colocado no seu limite.”

Por falar nisso, qual é a importância política da poesia? Da literatura de maneira geral…

Se olharmos por alto, importância nenhuma. Como é que se mede a importância das coisas? Pelo dinheiro que dão? Então qualquer cantor sertanejo é muito mais importante que qualquer escritor. Mas a coisa é diferente se você olhar com um pouco mais de profundidade. Eu não olho como quem escreve, porque nunca espero muito, em termos de dinheiro ou de reconhecimento, daquilo que escrevo. Eu sei a sociedade na qual vivo e que, bem ou mal, sou responsável em algum grau pelo fato de ela ser assim. Olho como pai e como professor, olho como cidadão. Aí a coisa muda de figura: tenho visto muita gente que deixou de se desumanizar por meio da literatura. Sim, porque as sociedades ditas pós-industriais funcionam de um modo que vai o tornando a humanidade dispensável: não precisamos mais de gente, precisamos de apertadores de botão, e isso qualquer imbecil pode fazer. É por isso que a educação oferecida aos nossos jovens caiu tanto de nível: a lógica da economia, que a única que importa para quem de fato manda no Brasil, que são os grandes empresários, essa lógica diz que o cara pode ser um perfeito imbecil, ouvir música imbecil, acreditar em ideias imbecis, porque o trabalho automatizado que ele vai fazer não exige nenhuma inteligência. Essa é a relação entre ideologia e dominação: se você pensar bem, ela já existia nos campos de extermínio de Hitler e de Stálin, como mostra Hannah Arendt no seu livro Origens do totalitarismo.

Mas onde entra literatura?

Existem escritores que reproduzem a ideologia, isso dá muito dinheiro. Caso notório de Paulo Coelho, mas em boa parte também o do Jorge Amado. Muita gente, enfim. Agora, esses são escritores utilitários. Os escritores que contribuem para manter a nossa humanidade são outros: são aqueles que fazem da escrita um meio de interrogar o tempo todo a condição humana. E fazem isso por meio de um trabalho também incansável com a linguagem, porque a linguagem é o que faz o mundo significar algo para nós, e se fazemos experimentos com ela nós também estamos experimentando novos significados para o mundo e para a condição humana. Qualquer criança mentalmente saudável faz isso, mas esse surpreender-se diante do mundo o tempo todo não produz dinheiro, não faz a máquina girar. Então, nós, que somos adeptos dessa perda de tempo, desse exercício da própria humanidade que não dá dinheiro e chega a ser cansativo, temos algo de loucos. Nós estamos o tempo todo apontando o dedo para a normalidade dos outros e dizendo que ela não é assim tão normal, que toda normalidade é fabricada.

O que você espera desse seu novo livro?

Espero que ele seja lido por muitas pessoas. E que ele contribua, de algum modo, para que muitas delas chacoalhem o galho das ideologias. Finalmente, que ainda uma parte desses leitores resolvam ler Confissões de Ralfo e Quatro-Olhos, que são livros muito interessantes e injustamente esquecidos.

You may also like...

0 thoughts on “Alfenas Agora estreia novo portal com entrevista com o escritor Eloésio Paulo”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *